Dalva e Dito: Comida afetiva com estrela do Michelin

Nesta semana (07/05) aconteceu o lançamento do Guia Michelin 2018 (que no Brasil avalia os melhores estabelecimentos de São Paulo e Rio de Janeiro), que mais uma vez premiou Alex Atala em dobro: D.O.M com duas estrelas e Dalva e Dito com uma.

É sobre o segundo, o irmão mais novo, que viemos falar aqui hoje. Algumas semanas atrás, meu pai e a namorada dele me chamaram para irmos almoçar no Dalvo e Dito, usando nosso cupom do Dois Por Um.

Quando chegamos não havia mesa disponível no salão, mas enquanto estávamos na fila de espera, nos ajeitaram em um espaço perto do bar com mesas. Para começar os trabalhos pedimos uma porção de palitinhos de mandioca frita (não lembro o preço, mas era cerca de R$40).


Não sou a maior fã do mundo de mandioca, mas achei delicioso os palitinhos! Me lembrou uma polenta frita bem sequinha por ser tão cremosa por dentro. Já no quesito goró, pedi um drink chamado Porã, que leva gim, suco de limão, xarope de abacaxi, compota de jabuticaba e licor de framboesa silvestre. Foi o melhor drink da minha vida. Docinho como eu gosto, porque de amarga já basta a vida. 


Meu pai pediu esse drink bonitão abaixo, o Água na Boca: cachaça, jambu e redução de caju com laranja (seria o primo rico do caju amigo?). Provei da bebida e achei refrescante, ainda mais naquele dia que estava tão quente.


Alguns minutos depois vagou uma mesa no salão principal e fomos chamados. A cozinha é separada do salão por um vidro, onde se pode ver o chef Elton Junior e os funcionários da casa fazer mágica.

É difícil não se hipnotizar ao assistir o processo - pelo menos da minha parte, acho incrível poder assistir passo a passo do preparo da comida e a montagem dos pratos.




No cardápio (com uma redação enxuta e divertida - jornalista presta atenção nessas coisas né?), um level up de variações de comidas que a sua vó talvez fizesse em um domingo para um almoço de família.

O desconto que o Guia Dois Por Um oferece é no arroz com frango e vinho tinto finalizado no forno, nossa escolha e servido nessa travessa fofa.



O arroz estava muito saboroso, mas o frango crocante no topo do prato rouba a cena, sério tava super crocante por fora e macio por dentro. Para completar a minha versão gourmet do PF (a.k.a prato feito), pedi uma porção de feijão do dia (R$14) - que para a minha felicidade, era feijão preto. Sabe quando parece que a comida te abraça? É isso.


Dividimos a porção do feijão em dois e acabou sobrando um pouco. Embora a travessa do arroz tenha um tamanho normal, também fiquei satisfeita antes do final da refeição.

Nessa altura do almoço meu drink infelizmente havia acabado e eu pedi o Refrigerante da vovó (mix de cítricos, gengibre e água com gás). É bem refrescante e uma ótima pedida pra quem não curte bebidas muito doces.



Já a namorada do meu pai escolheu a sardinha (e deu sorte porque só tinha a sardinha dela restante na cozinha) que veio em uma cama de vinagrete. Á parte, ela também pediu uma batata.


Os fãs de pimenta vão ficar felizes ao encontrar algumas opções nestes recipientes simpáticos.


Considerações finais: cardápio de drinks muito interessantes, com bebidas que valorizam o melhor dos ingredientes que o nosso país tem a oferecer. Atendimento impecável, como é de se esperar. A apresentação dos pratos é linda, tornando a experiência ainda mais especial.


Dalva e Dito
Rua Padre João Manuel, 1115
Cerqueira César

Padoca Vegan: preços atrativos e atendimento atrapalhado

Devo admitir que o novo cenário vegano na cidade de São Paulo me deixa curiosa pelas infinitas possibilidades de comilança. No último sábado juntei com uma amiga e o namorado dela para conhecer a Padoca Vegan, que fica a poucos metros do Metrô Vila Madalena.

Chegamos por volta de uma da tarde e o lugar que divide espaço com um hostel estava cheio. Nos levaram para o fundo da casa, um quintal com mesinhas e até uma rede onde onde os clientes podem esperar na sombra e já pedir alguma coisa para beliscar.

Indo para a nossa mesa e passando por um balcão cheio de doces, suspiramos com a bela apresentação dos doces através do vidro.


A primeira coisa que me chamou a atenção no cardápio foram os preços: extremamente atrativos para comida vegana, que ás vezes tende a ser um pouco mais cara que os convencionais.

Entre os melhores preço-benefício, me chamaram a atenção a bruschetta (R$10), com opções de tomate com manjericão, caponata de berinjela e cogumelos com cebolinha fresca (suspirei pela última opção), a porção de canolli (quatro mini canollis com creme de veludo e ricota de tofu com limão siciliano) e o iogurte (R$6).

Para quem estiver em dupla e quiser provar de um pouco e ainda mais, vale a pena pedir o Menu Degustação (R$50), com itens selecionados. 

Pedimos duas porções de pão de queijo (R$5 cada porção com 5 pãezinhos de queijo) para começar e achamos delicioso. Achamos que foi feito com batata pelo gostinho, mas o pão de queijo estava quentinho e até esticava quando separado. Aprovadíssimo!

Para matar a nossa sede em um dia tão quente, pedimos uma jarra de clericot (R$45). Embora refrescante, achei que as frutas estavam um pouco amargas, mas o meu casal de amigos achou que estava excelente.

Então, eu e o namorado da minha amiga pedimos um pão na chapa com azeite (R$5) cada - e você tem cerca de cinco opções de qual pão deseja, incluindo o integral. Pedi um pão e cerca de uns quinze minutos depois me avisaram que não tinham o pão - o que não é um problema, mas por que demorou tanto para constatarem isso?

Meia hora depois e dois pedidos para o garçom checar, e nada de pão na chapa. A garçonete simpática me explica que os produtos da casa tem o seu próprio tempo de produção. 

Finalmente chega o pão na chapa e é realmente delicioso, mas me tive o sentimento que estava sem sal - desta vez a opinião foi compartilhada.

Junto com o pão, minha amiga havia pedido uma salada caprese (R$15). Estávamos terminando o pão na chapa e nada da salada chegar. Desta vez, o lugar estava quase vazio e mesmo assim demorou mais alguns minutos até a salada chegar.

Não consegui disfarçar a minha decepção quando vi o prato da minha amiga. Mais de meia hora de espera para cortar meia dúzia de rodelas de tomate e decorar com nozes e azeite? Mesmo?

Para terminar nossa experiência, minha amiga pediu um freakshake de doce de leite (R$16), um dos carros-chefes da casa. O copo veio lindo, decorado com cookies, calda e um chantilly delicioso.


"Uma experiência cremosa e gelada" dizia o cardápio. Dizia. Meu Deus, por onde começar? Cremoso definitivamente não, porque a bebida estava líquida. Doce de leite? Parecia água misturada com óleo de coco e calda de caramelo. Que decepção.

Chamamos uma espécie de gerente da casa para expressar nosso descontentamento com a bebida. Ela foi super solicita no primeiro momento, e levou a bebida na cozinha para tentar "engrossar", segundo ela. Ela voltou dizendo que a bebida era assim mesmo, e ela não podia fazer nada. "Nós achamos que era uma espécie de milk-shake, algo mais consistente. Os garçons podiam avisar ou mesmo estar no cardápio", eu disse. Ao que ela respondeu, "os nossos clientes sabem como a bebida é". 


No final das contas: como classificar a experiência? Os funcionários não chegaram a ser mal educados, nem expressar má vontade em nenhum momento, mas não sugeriram trocar a bebida, nem deram alguma solução para tentar melhorar nossa experiência.

A comida em sua maior parte foi boa, mas não sei se isso é o bastante para segurar os clientes para sempre. Ainda não sei se eu voltaria, mas claramente pelo atendimento atrapalhado precisa de treinamento, pois acabamos passando muito mais tempo do que o necessário/desejado por lá. Atendimento é tão importante quanto a comida.


Padoca Vegan
Rua Harmonia, 1285
Vila Madalena

Restaurant Week São Paulo

Não são todos os dias em que temos grana para investir em um lugar bacana para uma refeição, mas durante duas vezes ao ano isso é facilitado com o São Paulo Restaurant Week, que chega a sua 22ª edição.

Por um preço fixo (R$46,90 no almoço e R$58,90 no jantar - sem incluir bebidas e 10% de serviço), pode-se degustar de uma entrada + prato principal + sobremesa entre 200 endereços da cidade. O tema desta edição é a Copa do Mundo, e o restaurantes criaram menus com ingredientes dos países do campeonato.

Espaguete com camarão, cogumelos, trufas e farofa de pão da Tartuferia San Paolo (Créditos: Divulgação/Restaurant Week)

Muitos dos estabelecimentos chegam a ter quatro opções para cada "etapa" da refeição, assim tentando agradar ao máximo o paladar do público. Entre as opções disponíveis estão o Capim Santo, General Prime Burguer, Calle 54, Ruella, Pecorino e o América, novidade desta edição.

Rib suíno ao poivre vert com purê de batata doce, tomate grelhado e rúcula do La Frontera (Créditos: Divulgação/Restaurant Week)

Para quem quiser dar um step up, existe uma categoria Premium no Restaurant Week. Por R$68 no almoço ou R$89 no jantar, pode-se aproveitar uma baita experiência em restaurantes como Bistrot de Paris, La Frontera e Pobre Juan. Quem se interessar pelo Menu Premium, deve fazer reserva pelo site do evento.

O Restaurante Week São Paulo acontece até o dia 22 de abril.

Dri Dri

Não é segredo que eu não resisto a sorvete, minha sobremesa favorita de todos os tempos. Quando eu posso juntar sorvete com desconto então: é irresistível. Em um domingo após almoço no Dalva e Dito, eu e o meu pai aproveitamos nosso Guia Dois Por Um (em breve tem post aqui sobre) para garantir a sobremesa.

O Guia Dois Por Um, é um livreto de descontos que garante que você compre dois pratos, drinks ou serviços pelo preço de um. No caso, tínhamos um vale sorvete (você define na hora o tamanho) na Dri Dri.



Como já estávamos satisfeitos do almoço, pedimos o tamanho médio de copinho, com direito até 3 sabores. Como sei que vocês gostam quando eu acrescento, estes são os preços de cada tamanho (mar/2018): Pequeno (R$11), Médio (R$13) e Grande (R$15).

Libriana que sou, sempre fico com vontade de provar todos os sabores de sorvete. Antes de fazer minha escolha provei o sorvete de tangerina com morango e manjericão, e posso dizer que foi uma das experiências sorvetísticas mais legais de todas. Só acabei não escolhendo porque sou fã de sorvete cremoso, e a consistência desse me lembrou uma raspadinha.






Os escolhidos: caramelo, iogurte de morango e flocos com nutella <3

Minhas escolhas foram: sorvete de iogurte (o meu favorito, cremosíssimo), uma versão de flocos com nutella (gostoso, mas o nutellina da Baccio di Latte é mais gostoso) e caramelo salgado (um pouco salgado demais para o meu gosto, mas meu pai curtiu bastante).

Fiquei satisfeita com as minhas escolhas, embora tenha achado enjoativo o sorvete de caramelo - não consegui terminar.

O ambiente é bem gostoso, com opções de sentar dentro da loja ou em banquinhos na rua. Além disso, ficam a disposição dos clientes revistas bem legais como a Dazed.



What's Been Going On #10


O post de hoje faz parte da série de publicações que eu havia começado e nunca terminei, mas vim hoje voltar com uma das tags que eu mais gosto do blog. 

O Whats's Been Going On, como o nome sugere, é um apanhado de coisas legais que tem acontecido na minha vida e algumas dicas do que fazer/onde comer em São Paulo - além de uma maneira que eu tenho para relembrar das coisas que andam acontecendo na minha vida. Here we go again!


O Banespão (nome carinhoso dado ao Edifício Altino Arantes) sempre foi para mim, um símbolo máximo de São Paulo. Agora, ele volta a abrir suas portas aos visitantes com o nome de Farol Santander.

Entre os 26 andares do Edifício, os que são abertos ao público incluem uma exposições, uma pista de skate, um mirante, um café (com brunch nos finais de semana), um memorial da época de banco e até um loft que você pode alugar no Airbnb - mas já adianto que a diária sai por R$4.000.

Seguem os valores para cada "experiência" do Farol Santander (valores da inteira):
  • Visita Completa: R$ 20
  • Mirante: R$ 15
  • Exposições + Mirante: R$ 17
  • Espaço Memória + Mirante: R$ 17

Farol Santander
 R. João Brícola, 24
Centro

Minha mãe se tornou a mulher mais formada do Brasil no começo do mês de Março. Só quem participou deste período da vida dela, sabe como este diploma foi suado. Fica aqui a minha admiração para esta mulher incrível, símbolo de força e determinação.

O tempo em São Paulo é sempre uma caixinha de Pandora. As águas de março estão definitivamente fechando o verão, mas fiquei encantada com o sol batendo nestes guarda-chuvas do restaurante que eu fui almoçar durante uma despedida de uma amiga. O nome do lugar é Dale Milanesas, e fica na Alameda Santos.

Também fui conferir a exposição do Basquiat que tá rolando no CCBB São Paulo, e a minha dica é: reserve os ingressos pelo site, para evitar as extensas filas. Minha parte favorita foram os pratos desenhados com alguns artistas como Salvador Dalí, Walt Disney e Andy Warhol (com quem o artista realizou algumas parcerias artísticas, presentes da exposição). A exposição fica em cartaz até o dia 7 de abril.

Nesse mês de março também rolou o OnixDay, antecedendo o Lolla e eu ganhei ingressos de última hora <3 Teve Wiz Khalifa, Liam Gallagher e LCD Soundsystem por lá, e foi incrível mesmo debaixo de chuva.

Algumas semanas atrás rolou um workshop de roteiro gratuito só para mulheres no Madre Conhecimento Criativo, e eu fui para ajudar como produção no documentário de uma amiga. Como o local tem muitos cursos de maquiagem, eu fiquei encantada com a quantidade de produtos que achei em uma sala (e eu sou a pessoa que menos de maquia da vida hahaha), que escolhemos como cenário do doc.

Bisous

Torra Clara


Ando em uma vibe de breakfast dates com as minhas amigas, e o post de hoje traz justamente uma cafeteria: a Torra Clara. Localizada na Oscar Freire, pertinho do Metrô Sumaré, o pequeno café já está de portas abertas desde as oito da manhã - uma maravilha para quem precisa entrar às dez no trabalho.

No balcão, há opções como bolo de fubá, waffle e pão de queijo, além do cardápio que vem charmoso junto com uma mini prancheta. O pedido é feito no balcão e não há taxa de serviço.




Meus escolhidos foram um brownie mini (mini: R$3,50; normal: R$7), uma pink lemonade (R$10) e um cookie de chocolate (R$6). Atenção: o brownie é sensacional. Me arrependi muito de não ter pedido um tamanho maior daquela delícia; macio e molhadinho.

Achei a pink lemonade "bem servida", veio em um copo grande - e com espuminha <3 O cookie estava gostoso, mas não achei memorável - eu pessoalmente, prefiro os cookies "americanos" de massa molinha.


O lugar também rende umas fotinhas bem legais - a Torra Clara sempre acaba vez ou outra na minha timeline do Instagram.

 Foto: Mariana Moro
Torra Clara
Rua Oscar Freire, 2286
Pinheiros

Horários de funcionamento:
Segunda a sexta: 08h às 18h30
Sábado: 10h às 15h
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...